Cerca de 30 comunicadores discutiram políticas para a área da mídia livre (Foto: Gian Martins)

25.5.2015 – 9:36

O edital de Pontos de Mídia Livre, que será lançado ainda neste semestre pelo Ministério da Cultura (MinC), e outras políticas públicas voltadas aos midialivristas foram tema de roda de conversa, nesse sábado (23), em São Paulo. O evento contou com a participação da secretária da Cidadania e da Diversidade Cultural do ministério, Ivana Bentes, e de cerca de 30 pessoas, entre representantes de Pontos de Cultura, jornalistas, cinegrafistas independentes e midiativistas.

Ivana Bentes apresentou aos participantes iniciativas governamentais para a área da mídia livre e as ações atualmente em curso na Secretaria da Cidadania e da Diversidade Cultural do MinC. “No próximo mês, faremos o lançamento do edital de Pontos de Mídia Livre. No entanto, queremos fazer política não apenas para quem vai ganhar o edital, mas, principalmente, para quem não ganhar”, afirmou. “A política pública tem de ser para o campo da mídia livre como um todo”.

“Estamos aqui para construir política, não queremos só receber a coisa pronta. Queremos é fazer parte e construir juntos”, afirmou o jornalista do portal Outras Palavras, Antônio Martins.
“É preciso chamar atenção pra força narrativa que pode ter um Ponto de Mídia Livre. Não estamos falando da quantidade, mas sim da qualidade da informação que é produzida”, destacou o produtor audiovisual Sandro Caje.

Outros temas debatidos na roda de conversa foram a criação do Fundo de Desenvolvimento da Mídia Independente, políticas de segurança para midiativistas, a não obrigação do diploma de jornalista, a formação livre na área, experiências de inclusão social a partir das novas mídias e a falta de narrativas mais progressistas na grande mídia. “Quem é que vai escrever sobre o povo negro se os donos dos jornais são todos brancos”, questionou o professor Raimundo Nonato, de São Bernardo do Campo.

“A quantidade forma qualidade. Claro que reconheço que as políticas de qualificação são restritas, mas a gente saiu da mídia de massa para a massa de mídias. Há uma infinidade de pessoas produzindo conteúdo e esse conteúdo vai se autoqualificando”, observou Ivana Bentes. “Cada vez mais, as produções de mídia que nos chegam vêm desses grupos tradicionais, que estão se apropriando dessa tecnologia na ponta. Quem não consegue entrar em lugares formais de educação está se formando de forma autodidata ou em grupos de cultura, no teatro, na poesia”.

Ao final da reunião, ficou estabelecida a criação de um grupo de trabalho, no âmbito da SCDC/MinC, para desenvolver propostas de políticas para a área da mídia livre. O objetivo é agregar diferentes agentes da sociedade civil para consolidar a pauta e buscar articulações com outros ministérios e secretarias.

Jornalistas Livres

Ainda no foco da mídia livre, o MinC, por meio da SCDC, participou, no domingo (24), das atividades promovidas pelo grupo Jornalistas Livres, na Praça das Artes, em São Paulo. O evento marcou o lançamento da rede e do projeto de financiamento colaborativo no portal Catarse.
Mais de 7 mil pessoas participaram do evento de lançamento do grupo Jornalistas Livres (Foto: Christian Braga)

Mais de 7 mil pessoas passaram pelo evento, que contou com intervenções circenses, teatro, dança e shows de Flora Matos, Tássia Reis, Fernando El Hombre e Boogarins, entre outros. O objetivo do grupo é estruturar uma rede que produza conteúdo independente na defesa dos Direitos Humanos. Nos próximos 45 dias, o Jornalistas Livres pretende arrecadar R$ 100 mil reais a partir do Catarse.

Movimentos sociais de moradia, juventude e estudantis participaram da atividade. Também estiveram presentes a secretária da Cidadania e da Diversidade Cultural do MinC, Ivana Bentes, o secretário de Direitos Humanos da Prefeitura de São Paulo, Eduardo Suplicy, e o secretário Nacional de Juventude, Gabriel Medina, entre outros.

Fonte: Assessoria de Comunicação/Ministério da Cultura Com informações da SCDC

Categorias: Notícias
Tags: , ,

Postado por em | 0 comentários